Notícias de Última Hora

General desabafa e revela a situação dramática de Bolsonaro, refém da chantagem do parlamento

Em artigo publicado nas redes sociais neste sábado (22), o atuante ativista político general Paulo Chagas, descreveu com detalhes a situação política atual do país e as dificuldades que estão sendo enfrentadas pelo presidente Jair Bolsonaro. Um refém do parlamento.

Fotomontagem: General Paulo Chagas, Bolsonaro, Maia e Alcolumbre
O texto do general remete a necessidade que o presidente tem do maciço apoio popular, para que possa reunir forças para enfrentar essa corja.

Leia abaixo:



“Apesar de tudo, na política, nada mudou!

Todo o "por quê?" tem, pelo menos, um "porquê"!

A equipe de governo que, desde o início do ano passado, conduz os processos da gestão federal é a melhor que o Brasil já teve desde o fim do Regime Militar. Os incontestáveis resultados positivos, dentro do contexto de caos em que assumiu, comprovam a sua competência.

No entanto, independente deste sucesso, o Presidente Jair Bolsonaro vem, por diversas razões, se fragilizando e sendo fragilizado diante dos demais poderes, em especial do Legislativo, chegando ao ponto de sentir-se refém dos presidentes da Câmara e do Senado e, até certo ponto, do presidente da Suprema Corte.
A razão primária deste fato está na Constituição de 1988, que, contraditoriamente, desequilibra os poderes da União em favor do Congresso Nacional, induzindo o sistema ao chamado "presidencialismo de coalizão", que nada mais é do que o loteamento da administração pública entre os partidos políticos, favorecendo a corrupção em nome da "governabilidade"!



Jair Bolsonaro foi eleito com o propósito de acabar com este conchavo, o que lhe exigiria constituir uma base parlamentar capaz de dar respaldo às medidas saneadoras requeridas pelo caos deixado pelo PT em todas as expressões do poder nacional. Todavia, o Presidente não logrou êxito em formar, organizar, orientar, conduzir e manter unida uma equipe de apoio parlamentar compatível com a grandiosidade da tarefa que lhe incumbiram as urnas em 2018, e, consequentemente, foi, aos poucos, perdendo a capacidade de manobrar no ambiente legislativo.

Nessas condições, o sistema, através do poder que lhe confere a Constituição, foi gradativamente aumentando sua ousadia e, além de descaracterizar o "Pacote Anticrime e Anticorrupção" do Ministro Sérgio Moro, abocanhou inéditos 30 bilhões de Reais do orçamento da União para usar e empregar ao seu bel prazer!

Como ingrediente facilitador deste processo, encontramos a grande imprensa, permanentemente atenta para explorar as agarras que lhe confere o temperamento do Presidente e fazer escalar o ambiente propício à sua fragilização e à criação de obstáculos aos projetos do governo.



O Governo Bolsonaro encontram-se hoje na condição de refém do Parlamento, é, como comentou o Gen Augusto Heleno (em off, de maneira informal e entre amigos), vítima das suas chantagens como, desde 1988, vem acontecendo com todos os governos brasileiros.

Em resumo, apesar da competência administrativa do governo, do clamor popular que o elegeu e das expectativas que foram criadas, Bolsonaro e sua equipe ainda não conseguiram mudar a política como ela é e tem sido no Brasil no decorrer dos últimos 30 anos. Na política, nada mudou, infelizmente!

General Paulo Chagas”

As informações são do Jornal da Cidade