Notícias de Última Hora

Filho de assassino mata e enterra três pessoas em Altamira


Uma menina bonita que adorava tirar fotos e também estudar. Marlene de Araújo Botelho, fazia o mesmo percurso todos os dias: do instituto Maria de Mattias para casa. Mas em 09 de março de 2000 ela não voltou mais.


Foi nas proximidades da rua da peixaria, área da prainha, que a menina, na época tinha apenas 13 anos, foi vista pela última vez. Ela já se aproximava de casa, quando o taxista Erinaldo Pereira Gomes, o Neno, com uma faca, obrigou a menina a entrar no carro. Ele era vizinho da família e se aproveitou da amizade para colocar em prática um crime cruel.


Marlene foi sequestrada e torturada até a morte por Erinaldo. Segundo a investigação da polícia, o taxista tentou abusar sexualmente da garota. O corpo dela foi encontrado em uma área de mata a poucos metros da BR-230.

Na época do crime, a mãe de Marlene deu uma entrevista exclusiva à equipe da TV Vale do Xingu. Erinaldo foi condenado a 29 anos de prisão e cumpriu seis. Foi beneficiado com regime semiaberto e depois com uma saída temporária para comemorar o aniversário dele. Desde então não retornou mais ao centro de recuperação de Altamira.



Em 2017, e usando um nome falso, ele voltou à cadeia, dessa vez no estado do maranhão acusado de matar duas mulheres após uma discussão por empréstimos em dinheiro: mãe e filha foram assassinadas com golpes de marreta. Ele tentou enterrar os corpos, mas foi pego pela polícia e acabou confessando tudo e de forma bem tranquila.

Após ser preso, ele apareceu morto na cela onde cumpria a pena sozinho. De acordo com a investigação da polícia, Erinaldo era um criminoso frio e calculista, mas o que muita gente não sabia é que ele deixou um filho em Altamira. Elizeu da Costa Gomes, que na época em que Marlene foi assassinada, ainda estava na barriga da mãe. Hoje com 19 anos é acusado de matar e enterrar pelo menos 3 vítimas no quintal da casa da avó, no bairro Bela Vista.



Elizeu já tinha passagem pela polícia pelo crime de furto. Não trabalhava e desistiu dos estudos. Gostava de dá festinhas na casa da avó e era conhecido por escutar música em um volume alto. Os três homens mortos: Luiz Carlos Calixto Barros, José Raimundo Rodrigues dos Santos e Wallace Varela dos Santos, tinham contato com o rapaz.

Elizeu não conviveu com o pai, quando nasceu, Erinaldo já estava preso. A Polícia Civil ainda não concluiu o inquérito sobre as mortes que têm ligação com o jovem Elizeu. Muitas perguntas ainda estão sem respostas.

Fonte: Confirma Notícia