Notícias de Última Hora

Helder diz que pode tomar medidas mais drásticas para garantir isolamento

Bruno Cecim / Ag.Pará
Diante do aumento de 160% das mortes por Covid-19 em uma semana no Pará, o governador Helder Barbalho disse, nesta sexta (1º), que pode adotar medidas mais drásticas, como utilizar a força do Estado, para garantir o isolamento social. De acordo com último boletim divulgado pelo governo, menos de 50% da população cumpriu a recomendação.

O Pará teve a curva de aumento de mortes mais acentuada entre os estados afetados, entre 24 e 30 de abril, e Belém já trabalha com colapso no sistema de saúde. Barbalho também anunciou que 200 respiradores, adquiridos da China, devem chegar ao Pará neste domingo, para atender pacientes de Covid-19. A capital Belém recebeu, nesta sexta, 60 respiradores do Ministério da Saúde.


“É fundamental registrar que temos alguns incrementos de circulação como nos transportes coletivos, agências bancárias, lotéricas e nos supermercados. E, também, precisamos da compreensão e esforço maior da população nesse momento”, afirmou.

Barbalho disse, ainda, que o poder público já determina e fiscaliza a política de isolamento como diretriz central no combate ao novo coronavírus. “Agentes de segurança têm feito abordagens já há quase 50 dias em todo o território do estado para assegurar que estejam fechadas as atividades que geram circulação de pessoas”.

O Pará já passa de 3.350 casos confirmados e 260 óbitos. São 1.592 recuperados e 353 casos em análise. A taxa de ocupação de leitos exclusivos para Covid-18 é de 85%.

Em Belém, epicentro da Covid-19 no estado, o uso de máscaras é obrigatório. No entanto, muitas pessoas continuam formando aglomerações em feiras, supermercados e também em agências bancárias. A capital teve índice de 49% de isolamento social na última quinta (30). A prefeitura fechou o comércio não essencial somente na última segunda.


Um vídeo mostra uma aglomeração formada em uma farmácia, que disponibilizou remédios usados no combate aos sintomas da doenças. Os medicamentos ainda não têm comprovação de eficácia e só devem ser usados sob prescrição médica, segundo a Secretaria de Saúde Pública (Sespa).


Após os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) esgotarem e as unidades municipais de saúde ficarem superlotadas em Belém, o governo estadual decidiu ofertar atendimento a pacientes com sintomas da Covid-19 em hospitais da rede estadual, como o Abelardo Santos e Galileu.

Ainda nesta sexta, Barbalho citou as medidas tomadas desde 16 de março pelo governo no combate à pandemia, como o fechamento de bares, restaurantes e shoppings; suspensão de aulas; proibição de transporte interestadual rodoviário e fluvial; suspensão de voos aéreos internacionais e limitação de voos nacionais; barreiras sanitárias em períodos de feriados prolongados; e a obrigação do uso de máscaras em transportes coletivos.


(G1/PA)