Notícias de Última Hora

Professor 99% tatuado é proibido de lecionar ao jardim de infância

Sylvan, também conhecido como Freaky Hoody, trabalha em uma escola do departamento francês de Essonne, onde divide a opinião dos pais de alunos

A divisão da língua em duas, o aumento dos seios e os implantes pontiagudos
Um professor com 99% do corpo tatuado foi impedido de lecionar ao jardim de infância, em uma instituição de ensino do departamento francês de Essonne.

Sylvan, 35, é conhecido como Freaky Hoody no universo das modificações corporais extremas. Ao mesmo tempo em que trabalha como professor substituto na Escola Primária Paul-Langevin.


Atualmente, ele é tido como o homem mais tatuado da França — nem o branco dos olhos escapou da agulha e da tinta. No entanto, o visual diferenciado do professor gerou críticas entre alguns pais de alunos.

Em entrevista ao jornal Le Parisien, uma mãe, que pediu para ser identificada apenas como Marie, disse que os filhos temem a presença de Sylvan: "Estou muito surpresa que a o sistema educacional permita isso", pontuou. Opinião que não é compartilhada por todos: "Se ele for um bom professor, isso não muda nada para mim", disse outra mãe.


Patrice Allio, uma autoridade educacional local, explica que a lei francesa invoca "o caráter exemplar dos profissionais da Educação Nacional". Mas, o texto não deixa claro o que há "por trás da palavra exemplaridade".

Sylvan, por sua vez, não parece se abalar com a polêmica: "Prefiro que as pessoas falem sobre minhas qualidades como professor e não da minha aparência". "Tenho direito de me tatuar, é o meu corpo, faço o que quiser com ele", pontua.


Obviamente, o professor reconhece o efeito da própria aparência sobre os pequenos. Mas, sabe muito bem como lidar com a situação: "Estou aqui para ensinar. Se as crianças me perguntam: 'Por que você tem olhos pretos?' Digo a elas que podemos conversar sobre isso no recreio".

Apesar do foco no trabalho, o aspecto de Sylvan já lhe trouxe problema. Em 2019, uma criança se assustou com ele em um dos corredores do colégio.


"Os pais escreveram uma carta, com fotos minhas nas quais poso nu como modelo", lembra o docente, " fiquei afastado por sete semanas".


Apesar de magoado, a escola conseguiu achar um meio termo: o professor tatuado só assumiria aulas a partir do ensino fundamental e deixaria de lecionar no jardim de infância.


O Le Parisien afirma ter entrado em contato com o departamento responsável pelas instituições de ensino da região para comentar o assunto. No entanto, não obteve resposta.

Fonte: R7