Notícias de Última Hora

Brasil é o segundo país que mais trai; local preferido de infiéis é a web

O Brasil é o segundo no ranking de países que mais traem. O perfil de quem procura relacionamentos extraconjugais é de homens de 30 a 49 anos, casados há mais de sete

Mais de 30% das mulheres se sentiriam tentadas a pular a cerca se tivessem certeza de que o parceiro não pudesse descobrir - Foto: Getty Images
Quem são e onde vivem as pessoas que mais procuram relacionamentos extraconjugais? O que motiva alguém a trair? O site Secondlove, voltado a pessoas comprometidas que procuram relacionamentos fora do matrimônio, divulgou o "mapa da traição", que responde essas e outras perguntas sobre o universo da traição no Brasil. De acordo com a pesquisa, os brasileiros são vice-campeões em traição no mundo, atrás apenas da Holanda. A Argentina está em terceiro lugar.


A pesquisa mostra que a internet é o lugar preferido de quem quer ter um caso. Para 46,5% dos participantes, o melhor lugar para começar uma aventura é on-line. Muitos usuários nunca traíram ou traíram poucas vezes: 53,6% nunca tiveram um caso antes de entrar no site, ou traíram, no máximo, duas vezes.


[SAIBAMAIS] Os brasileiros que mais traem são homens, com idade entre 30 e 49 anos, casados há pelo menos sete, com filhos e ensino superior. A maior parte deles vive em São Paulo. A motivação de 61,9% é a falta de sexo no relacionamento. Quase 40% afirma trair por causa da falta de paixão, 26,9% pela falta de comunicação e 19,8% buscam ser mais compreendidos. O levantamento, feito com mais de 343 usuários do sistema, confirmou que o Brasil é o terceiro país com mais mulheres inscritas. Juntas, elas respondem por 30% do total de usuários.


Curiosidades

; Mais da metade dos usuários do site (56,8%) são casados, mas não acreditam em monogamia

; Quando traem, mais da metade espera manter relações casuais com o novo parceiro

; 79,9% dos usuários nunca flagraram o companheiro sendo infiel

; 59,2% nunca foram pegos traindo

; 68,5% não confessaria uma traição

Com informações do site Correio Braziliense